Searching...
domingo, março 09, 2014

Apesar de sentença de morte, bebê de anões nasce e sobrevive

Após realizar sonho de gravidez, a anã Laura Whitfield recebeu a notícia dos médicos que precisava abortar porque seu bebê não teria chances de sobreviver. Porém, ela decidiu levar adiante a gestação e conseguiu ter seu bebê. As informações são do site Daily Mail de sexta-feira (7).
De acordo com a publicação, a chegada do menino surpreendeu até mesmo os médicos, já que ele herdou duas formas diferentes de nanismo. Tal combinação genética pode levar à morte.
Laura afirmou que ela e seu marido pouco sabem sobre o desenvolvimento do filho e que os médicos também estão surpresos com o nascimento.
— Me disseram para considerar o aborto e disse que, se ele tivesse esses genes, provavelmente morreria dentro de meia hora após o nascimento. Eu não dei ouvidos aos médicos e segui com a gestação.
Embora os médicos ainda não saibam detalhes sobre a genética do menino e o que pode acontecer com ele, os especialistas dizem que o bebê terá uma vida relativamente normal. 
— Nós realmente não temos certeza do que pode acontecer. Os médicos disseram que ele provavelmente não vai começar a aprender a andar até que ele tenha, pelo menos, 18 meses.
O pai do bebê tem o quadril muito fraco, o que faz com que tenha dificuldades para andar. Já a mãe tem a coluna curvada, o que faz com que tenha muitas dores.

— Acima de tudo, quero que meu filho tenha uma vida normal, como eu sempre tive.
Os médicos que estão cuidando de Natan afirmaram que não têm conhecimento de qualquer outro bebê no Reino Unido que tenha as mesmas condições que o menino.

— Ele tem uma combinação de genes que eu pessoalmente nunca vi antes no país. Só temos conhecimento que outro caso desses aconteceu nos Estados Unidos em 1997.

A mãe da criança diz que está ansiosa para levar o filho para casa, mas sabe que ele terá que ter cuidados especiais. Talvez, ele não demore em sair do hospital.

— No momento os médicos estão olhando para ele com muito cuidado e atenção porque eles não sabem realmente o que esperar. Vou ter que ser paciente e esperar para, finalmente, trazer meu filho pra casa.

DO R7