Searching...
sexta-feira, junho 13, 2014

Globo e FIFA dão rasteira em paraplégico

Essa imagem que você está vendo foi o ápice da Abertura da Copa. Mostrando que não só o Brasil é capaz de organizar eventos de nível mundial, mas também acreditamos e investimos em ciência e tecnologia. Nem de longe é uma solução, mas uma prova de conceito, uma demonstração da pesquisa feita pelo neurocientista Miguel Nicolelis e sua equipe da Duke University.
Eles conseguiram desenvolver sistemas de biofeedback que permitiam a macacos controlar com o cérebro membros robóticos, e recentemente chegaram a recuperar o sentido do tato. A pesquisa apresentada, fruto de uma promessa de quatro anos, foi cumprida: um paraplégico, vestindo um exoesqueleto deu o chute inicial da Copa do Mundo.
Isso, claro, se você acreditar nas palavras de Nicolelis, pois todo mundo que viu a abertura da Copa, cortesia da Tia Mariângeles e a turma de Arte & Artesanato da 5ª Série da Escola Municipal Tancredo Neves, achou que o trabalho de Nicolelis estava mais para Flash do que Homem de Ferro.
Vendido (e comprado) como ponto-alto da abertura da Copa, o Exoesqueleto se resumiu a isto:
Bp86il8IAAEk4j9
Isso mesmo. Tela dividida. Galvão Bueno narrava a IMPORTANTÍSSIMA chegada do ônibus com a Seleção Brasileira enquanto ignorava a demonstração tecnológica de um dos raros brasileiros que não se destaca com os pés ou com a bunda. Não é exagero.Em tela dividida foram TRÊS SEGUNDOS, sem nenhuma menção, para em seguida cortar para o ônibus.
A Ciência foi colocada literalmente para escanteio. A apresentação ficou restrita ao canto do gramado. A justificativa da FIFA? O Exoesqueleto era muito pesado e iria danificar o gramado delicado criado pela vó. Claro, com certeza um exoesqueleto pesa muito mais do que um palco-bola com motores. Pombas, a bunda da Jennifer Lopez pesa mais que o exoesqueleto e não foi proibida de acompanhar a dona pelo gramado.
No Twitter comentaram que a apresentação fez sentido, mostrou a exata atenção que o Brasil dá a Ciência e Tecnologia.
Por isso, meninos e meninas, nosso programa espacial tem datilógrafos. Quase nada fazemos e quando fazemos, não valorizamos. O piloto de provas do exoesqueleto estava usando um lenço cedido pela família de Santos Dumont, um gesto simbólico unindo invenções e inventores separados por mais de 100 anos. Mas isso não interessa, melhor ver uma bosta de um ônibus.



30 anos depois não conseguimos ver um homem andar. 
Site O GLOBO