Searching...
quarta-feira, maio 18, 2016

Falta de cearense em Ministério de Temer gera divergências na Assembleia Legislativa

Na dança das cadeiras na Esplanada dos Ministérios, após o afastamento da presidente Dilma Rousseff, o Ceará sobrou. A única pasta do primeiro escalão chefiada por um cearense era o Ministério das Comunicações, com André Figueiredo. Se faltou assento em um estado, houve excesso em outro, e justamente o vizinho Pernambuco. Quatro nomesintegram a “tropa de elite” do presidente interino Michel Temer. Mendonça Filho (Educação),Raul Jungmann (Defesa), Bruno Araújo (Cidades) e Fernando Bezerra Filho (Minas e Energia).
O Ceará sobrou no rodízio e também sobraram críticas. Uma das voz duras é a do presidente da Assembleia Legislativa do Ceará, Zezinho Albuquerque (PDT), que integra o núcleo de apoio ao governador Camilo Santana e à presidente Dilma Rousseff, longe das atividades como presidente da República por 180 dias, enquanto Senado decide o futuro dela. Para Zezinho, faltou prestígio.
“Nesse momento em que Pernambuco tem quatro ministérios e o Ceará não tem nenhum. Nós cearenses não estamos satisfeitos com isso. Agora, aceito os pensamentos contrários. É uma falta de consideração do senhor presidente da República em exercício, Michel Temer. Eu sou bairrista, sou cearense, quero bem do Brasil”, disse.
O deputado Audic Mota, correligionário de Michel Temer, justifica as palavras de Zezinho “pelo trauma (afastamento de Dilma) em função de uma conjuntura que o partido dele estava inserido, mas essa não é a verdade“. Mota afirma que os senadores Tasso Jereissati (PSDB) e Eunício Oliveira (PMDB) foram convidados para compor a equipe ministerial de Temer, mas negaram o pedido. “Não foi falta de prestígio do Ceará nem destes dois homens”, realçou.

Ao fim da entrevista, aproveitou para alfinetar Zezinho e o governador Camilo Santana, de quem faz oposição na Assembleia Legislativa. “Procurem o senador Eunício. Nós estamos à disposição do diálogo para engrandecer e executar grandes projetos para o estado do Ceará. Se no governo anterior, infelizmente, esse prestígio não foi possível, mesmo com a grande quantidade de ministros nomeados, as grandes promessas viraram frustração, usem o prestígio do PMDB Ceará para que o nosso estado possa viver dias melhores”, ironizou.