Searching...
terça-feira, dezembro 27, 2016

Governo inaugura Sistema de Captação Pressurizada

O objetivo é evitar o desabastecimento de água caso haja agravamento da crise hídrica e não se mantenha o nível de reservação das águas do Gavião.
O Governo do Ceará inaugurou, nesta segunda-feira (26), o Sistema de Captação Pressurizada do Açude Gavião, em Pacatuba. Executada pela Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece), a obra objetiva evitar o desabastecimento de água caso haja agravamento da crise hídrica e não se mantenha o nível de reservação das águas do Gavião. A nova estrutura foi concluída no prazo de 50 dias e contou com investimento de R$ 6,8 milhões provenientes da Tarifa de Contingência aplicada pela Cagece.
O governador Camilo Santana destacou a relevância e urgência de ações do Governo do Ceará na Região Metropolitana de Fortaleza, ressaltando a questão hídrica como grande preocupação da atual gestão para os próximos anos. "Essa é mais uma ação que faz parte do plano em relação ao problema da água na Região Metropolitana. Já fizemos o reúso de água, bateria de poços no Pecém, adutora do Maranguapinho, e nos próximos dias vamos inaugurar o reúso da água do Pacajus. Aqui, estamos fazendo a pressurização do bombeamento da água do Gavião, exatamente porque se tivermos problema de rebaixamento da cota do açude a gente vai acionar as bombas flutuantes e garantir o abastecimento para a cidade de Fortaleza e toda a Região Metropolitana. Nós investimos quase R$ 7 milhões neste equipamento. É mais uma obra que reforça a nossa segurança hídrica", disse. 
A nova estrutura na Estação de Tratamento de Água (ETA) do Gavião faz parte do Plano de Segurança Hídrica da Região Metropolitana de Fortaleza, conjunto de medidas apresentados pelo Estado no dia 26 julho que buscam a redução em 20% do consumo de água até a próxima quadra chuvosa. As ações deverão ser executadas pelo Governo do Ceará de forma emergencial até março de 2017. Com investimentos orçados em R$ 64,1 milhões, o plano prevê contrapartida de setores da sociedade, caminhando conjuntamente com a conscientização da população para o uso responsável e sem desperdício da água.
Foto: Divulgação
O Sistema de Captação Pressurizada do Açude Gavião não vem para criar "água nova", como explica o secretário dos Recursos Hídricos do Ceará, Francisco Teixeira. Segundo ele, o sistema é uma estação flutuante de segurança para impedir que a vazão de abastecimento de Fortaleza diminua. A ETA do Gavião, portanto, garante a manutenção do nível de atendimento à população independentemente de questões como economia de água, problemas operacionais ou de acirramento da seca. "Podemos garantir um nível estático e a vazão de 7m³ de água por segundo para Fortaleza através da ETA Gavião. Por isso essa estação é muito importante. Qualquer rebaixamento do açude ela permite manter o mesmo ritmo de atendimento", esclareceu o secretário. 
Segundo o titular da pasta, a crise hídrica fez com que o Estado se empenhasse na busca pelo aumento de alternativas de sistemas, estruturas e planos para que não falte água. "Nós temos buscado diversificar as fontes hídricas. Trazer água não só do Orós e do Castanhão para manter minimamente os níveis dos açudes da RMF, Pacoti, Riachão, Gavião, sobretudo o Gavião, que tem um nível estático mínimo. Também buscamos poços. Em janeiro o governador deverá acionar a bateria de poços do Pecém, para injetar mais 200 litros por segundo no sistema metropolitano, Maranguapinho já foi acionado, foram mais 200 litros, a reciclagem da água de lavagem dos filtros da ETA Gavião e da Cagece já está funcionando com 300 litros por segundo. Estamos obtendo mil litros por segundo de águas alternativas, usando novas formas de obter água", exemplificou o secretário.
O presidente da Cagece, Neuri Freitas, lembrou que o sistema aplicado no açude Gavião é comum em outros municípios do Ceará, e comemorou o fato de a ETA estar dispondo deste mecanismo de prevenção à falta de água.  "Esse tipo de procedimento é normal no Interior, pois sempre tem bombeamento de açude até a estação de tratamento. Aqui no Gavião era diferente, porque a água ia para estação de tratamento por gravidade. Com essa obra concluída, nós temos a opção de, no caso de uma necessidade, acionar. A esperança é que isso não aconteça. Que continuemos tendo bom nível no açude e que continue captando por gravidade. Entretanto, qualquer dificuldade que venhamos a ter futuramente, poderemos acionar e manter o abastecimento de água", pontuou. 
GRUPO CIDADE